SENTIR (quebra-gelo)

Há quanto tempo você faz parte de uma igreja? O que te faz continuar?

APRENDER

Para que fazemos parte da igreja de Jesus?
Nascemos egoístas, preocupados apenas com as nossas necessidades e vontades. Queremos ser servidos, ter mais, queremos ser melhores do que os outros. Mas quando nascemos de novo em Cristo, ganhamos a graça de servir, o poder de renunciar e a alegria em ver as outras pessoas prosperando e sendo melhores do que nós. Fazemos parte da igreja de Jesus para servir as pessoas.

E quando recebemos Cristo, não só nos tornamos servos, como também somos guiados por Ele: “O Senhor diz: “Eu o guiarei pelo melhor caminho para sua vida, lhe darei conselhos e cuidarei de você”” (Sl. 32:8).

Mas, muitas vezes, o Senhor nos mostra vários caminhos bons, que não vão contra a Sua Palavra, que O honram e que tem um preço a pagar. Como saber qual é a certa?

Quando temos várias opções boas, como escolher a melhor?
É simples. Devemos pensar na opção que mais vai abençoar as pessoas, que vai servi-las, conectá-las com Deus. Na opção em que mais dependemos de Deus para dar tudo certo. É assim que o Senhor nos dá direção, há um preço a pagar.

Jesus falou sobre isso a Seus discípulos em Mateus 16: 24-25: “Se alguém quer ser meu seguidor, negue a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Se tentar se apegar à sua vida, a perderá. Mas, se abrir mão de sua vida por minha causa, a encontrará.”

Como podemos tomar a nossa cruz?
Levar a cruz é quando somos injustiçados, sofremos pressões e consequências que não merecíamos. Assim como aconteceu com Jesus. Quando tomamos a nossa cruz, ou seja, servimos a Deus sabendo que haverá injustiças e injúrias, estamos seguindo os passos de Jesus — e não há melhor direção divina do que essa.

Ele nos chama a servir, a morrer para as nossas vontades: “Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto. Aquele que ama a sua vida, a perderá; ao passo que aquele que odeia a sua vida neste mundo, a conservará para a vida eterna. Quem me serve precisa seguir-me; e, onde estou, o meu servo também estará. Aquele que me serve, meu Pai o honrará” (Jo. 12:24-26).

“Não somos chamados para celebrar a nós mesmos, somos chamados a negar a nós mesmos.” Craig Groeschel

Essa é a morte que traz vida. A cruz representa morte, e depois vida (Rm. 6:6-7; Gl. 2:20). O batismo é morte para nós mesmos, e renascimento em Cristo (Rm. 6:3-4). A ceia representa a morte de Jesus que nos deu vida (1Co. 11:26). O discipulado é morte que gera vida (Lc. 14:33; Mc. 10:29-30).

Tudo que tem muita vida, primeiro passou pela morte do que não deveria estar lá. Sem que haja renúncia, não há recompensa. No Reino de Deus tudo é multiplicado pelo que damos, a generosidade é o fator multiplicador. A direção divina sempre aponta para amarmos e servimos ao próximo. Para isso, precisamos renunciar a nós mesmos, e isso é como morte para a natureza humana.

Quem vive para si mesmo não consegue obter direção do Senhor. Somos chamados a ser crucificados para o mundo (Gl. 6:14), a ser doadores (Mt. 23:11).

REFLETIR

O quanto nos importamos com os outros?

Deus não nos chamou para sermos apenas receptores. E isso se expressa muito através das nossas orações: oramos mais pelas nossas necessidades ou pelas pessoas? Isso indica o quanto de nós mesmos temos renunciado, o quanto temos levado a nossa cruz e servido ao Senhor servindo as pessoas.

Jesus disse que a Sua fome era fazer a vontade de Deus (Jo. 4:34). Será que temos essa fome? Porque é só isso que pode sustentar a nossa alma, esse é o nosso alimento verdadeiro.

“Quando deixamos de ficar obcecados pelo que desejamos, só então conseguimos encontra o que necessitamos.” Craig Groeschel

Deus chamou aqueles que servem para prosperar, pois estão fazendo a Sua vontade. Quando servimos, Ele derrama Seus dons sobre nós, nos prospera, nos enche da Sua vida.

Servir não tem a ver com o que fazemos, tem a ver com o nosso coração, com quem somos.

APLICAR E ORAR (separe entre homens e mulheres)

Eu sou um consumidor ou um colaborador?
Essa é uma pergunta que todos nós precisamos fazer. Como temos agido na igreja em que Jesus nos colocou, na Sua igreja? Temos sido receptores, aqueles que só se preocupam com as próprias necessidades e desejos? Ou temos renunciado às nossas vontades e entregado as nossas vidas para servir?

Se você tem sido um consumidor, não é tarde para se arrepender. Peça perdão ao Senhor e se disponha a servir, seja como professor do Ministério Infantil, como anfitrião de um GCEM, ajudando nos eventos, intercedendo pelas pessoas da sua célula. Não importa. Disponha seu tempo, seus recursos, suas capacidades.

Fomos feitos para servir, abençoar e repartir. Só assim nos tornamos quem o Senhor nos chamou para ser e podemos caminhar com a certeza de que estamos na direção divina.

Se você precisa de direção divina, renuncie e sirva!

“Os momentos em que você escolhe servir a outros e colocar as necessidades deles em primeiro lugar determinam o tipo de história que você contará amanhã.” Craig Groeschel

Encoraje cada um a começar a servir e a buscar a direção divina – isso é fundamental para a mudança na nossa nova vida! Esteja atento àqueles que precisam de uma oração de incentivo e de encorajamento para conseguirem dar o primeiro passo e se tornarem servos. Ore por todos.

 

Escreva um comentário

*

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga-nos: