SENTIR (quebra-gelo)

Quando você ouve as palavras: “Vida abundante”, o que vem a sua mente?
O que você pensa quando alguém não age corretamente com você? Como você se sente?

APRENDER

Atos 6

“À medida que o número de discípulos crescia, surgiam MURMÚRIOS de descontentamento.” – Atos 6:1

Murmuração é uma palavra derivada do grego goggusmos, que significa debate secreto, desprazer não declarado abertamente. Nós temos estudado o livro de Atos e visto a quantidade de coisas que os discípulos estavam realizando naquela época, milagres, curas. Nesse capítulo vemos judeus gregos reclamando, dizendo que suas viúvas estavam sendo negligenciadas na distribuição diária de alimento. Os apóstolos que faziam essa distribuição.

“Por isso, os Doze convocaram uma reunião com todos os discípulos e disseram: “Nós, apóstolos, devemos nos dedicar ao ensino da palavra de Deus, e não à distribuição de alimentos. Sendo assim, irmãos, escolham sete homens respeitados, cheios do Espírito e de sabedoria, e nós os encarregaremos desse serviço. Então nós nos dedicaremos à oração e ao ensino da palavra” – Atos 6:2-4

Um fato interessante é que os discípulos deixaram nas mãos daquela comunidade a escolha dos homens que ficariam responsáveis pela distribuição dos alimentos. Estêvão, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timom, Pármenas e Nicolau. Dos 7 homens 6 eram judeus helenitas, ou seja gregos, e 1 deles era prosélito, gentio convertido ao judaísmo. Mas todos eles eram CRISTÃOS, isso é maior do que etnia, raça, cor, língua ou nação, todos eram filhos de Deus.

“Esses sete foram apresentados aos apóstolos, que oraram por eles e lhes impuseram as mãos. Assim, a mensagem de Deus continuou a se espalhar. O número de discípulos se multiplicava em Jerusalém, e muitos sacerdotes também se converteram.” – Atos 6:6-7

 

REFLETIR

O que acontece quando não lidamos corretamente com a murmuração?

Existem duas possibilidades, quando nós murmuramos e quando alguém murmura contra nós. A igreja descrita em Atos se livrou disso, buscou uma solução e seguiu em frente. Mas como nós agimos diante de uma situação como essa?

O caminho da deslealdade

Deslealdade é um processo, não acontece de repente, existem estágios progressivos, onde uma pessoa se torna desleal. Temos Joabe e Absalão, filho de Davi, como exemplos bíblicos.

O primeiro é o Estágio da Independência, não se parece com deslealdade, geralmente quem passa por isso não acredita que as orientações da liderança da igreja se aplicam a ele e por isso se acham no direito de fazer do seu jeito. Não se trata de autonomia, que é ter o poder de fazer algo, mas de independência, que é fazer algo sozinho. A pessoa independente acha que faz melhor, acha que ela teria um jeito melhor de fazer as coisas do que o líder.

O segundo é o Estágio da Decepção, nos tornamos ofendidos, com ódio. Quem guarda a ofensa e acha que tem o direito de ficar ferido está cheio de justiça própria. Jesus disse que onde há ofensa, o resultado é a traição e o ódio.

“Naquele tempo muitos ficarão escandalizados, trairão e odiarão uns aos outros, e numerosos falsos profetas surgirão e enganarão a muitos.” – Mateus 24.10-13

Quando entregamos nossa vida ao Senhor Jesus renunciamos ao direito de ficar ofendidos. Devemos perdoar a todos. O espírito de ofensa sempre abre porta para o espírito de traição. Quem não supera suas feridas se torna desleal onde quer que vá.

O terceiro é o Estágio do Isolamento, o ofendido se isola, tem dificuldade de se envolver, se tornam indiferentes. Quando estamos ofendidos acabamos nos tornando críticos da liderança e da obra. Todo ferido é orgulhoso, porque é o ego que fica ferido. Quando nos tornamos críticos do trabalho de outras pessoas, é preciso nos colocar de fora.

Jesus não guardava ofensa, não se isolava, mas perdoava e entregava tudo ao Pai, ficando livre da ofensa.

“Ele não cometeu pecado algum, e nenhum engano foi encontrado em sua boca.” Quando insultado, não revidava; quando sofria, não fazia ameaças, mas entregava- se àquele que julga com justiça.” – 1 Pedro 2:19-24

Quando nos tornamos independentes, estamos vulneráveis a ofensa, que nos isola e torna críticos.

O quarto é o Estágio da Crítica, deixamos de ser passivos para sermos críticos, observando as falhas da igreja e dos seus líderes. Quando temos olhos críticos só vemos problemas e defeitos, mas quando temos olhos de amor, vemos o que é bom, temos paciência e esperamos mudanças.

O quinto é o Estágio da Dissimulação, que acontece juntamente com a crítica. É ocultar, encobrir, disfarçar, fingir. Alguém ofendido, deseja reunir outros que acreditem nele, para que algo seja mudado. A pessoa acaba atraindo outros insatisfeitos, outros ofendidos. Isso torna a pessoa sutilmente maledicente, ela demonstra simpatia, mas semeia a discórdia. Nesse estágio os desleais falam com o líder sobre o que “as outras pessoas estão falando…”, sobre o que ele ouviu alguém dizer, como se ele estivesse falando em nome de muitas outras pessoas da igreja.

O sexto é o Estágio da Rebelião às Claras, aquilo que antes estava oculto, secreto, agora é aberto, se torna uma luta contra a autoridade, toda a deslealdade é demonstrada. Pessoas simples ou desinformadas podem se deixar levar pelos rebeldes.

O sétimo e último é o Estágio da Morte, morte espiritual, que pode chegar à morte física. Rebelião é fruto de orgulho, de arrogância.

“Pois a rebeldia é como o pecado da feitiçaria, e a arrogância como o mal da idolatria. Assim como você rejeitou a palavra do Senhor, ele o rejeitou como rei.” – 1 Samuel 15:23

 

APLICAR E ORAR (separe entre homens e mulheres)

Nós estamos lidando corretamente com a murmuração?

A igreja passou pela primeira luta interna em Atos 6. Quando seus próprios membros começaram a murmurar sobre a liderança dos apóstolos. O problema realmente existia, mas a forma como foi reivindicado, o processo para transformar a situação foi bom. Eles tiveram que lidar com a murmuração, que enfrentar o problema, e venceram porque estavam cheios do Espírito Santo, porque eram direcionados por Deus.

“Assim, a mensagem de Deus continuou a se espalhar. O número de discípulos se multiplicava em Jerusalém, e muitos sacerdotes também se converteram.” – Atos 6:7

O caminho da deslealdade tem volta, podemos retroceder, acertar as ofensas com nossos irmãos e ajustar nossa vida.

Líder: Encoraje sua célula a orar por arrependimento, para que a nossa comunidade experimente o mover sobrenatural do Espirito Santo, assim como a igreja de atos. É momento de orarmos com ousadia firmando ou reafirmando nosso compromisso com o Senhor.

 

AVISO:
Teatro Re-Significar – A alegria do Natal, dia 15/12 às 18h00
Celebração do Natal, dia 22/12 às 18h00

Siga-nos: