SENTIR (quebra-gelo)

Qual a atitude mais importante que alguém pode ter diante de uma aflição, dificuldade ou pressão?

APRENDER

Temos aprendido que a REALIDADE da nossa vida cristã, como filhos de Deus, é uma vida onde há poder, provisão e presença do Espírito Santo. Essa é a vida que Jesus viveu e a forma que fomos criados para ser. Contudo, a kriptonita espiritual, a idolatria, tem sugado nossa força, mudando nosso foco e estilo de vida, nos tornando fracos espiritualmente.

Qual o problema de vivermos assim?
Nós acabamos esquecendo de quem somos, nossa única prioridade e a nossa história! Uma estratégia do inimigo é fazer com que nós esqueçamos de nossas histórias, pois, assim, esquecemos de quem somos, de onde viemos, o que já experimentamos e sabemos.  Nossa história é a de um dia fomos pecadores, mas hoje somos filhos por causa do sacrifício de Jesus na cruz!

Em 1 Samuel 8:1-8 vemos que o povo de Israel, por vontade própria, desejou e escolheu comportar-se como todas as outras nações. Eles não possuíam um rei estabelecido, pois suas direções vinham do próprio Rei dos reis, através dos profetas. Mas sua distância de Deus e a falta de relacionamento, fez com que eles se esquecessem de tudo o que haviam passado, ouvido, experimentado – ou seja, sua IDENTIDADE – e quiseram ser como todos os outros. Mas eles não eram como outros. Eles eram o POVO ESCOLHIDO DE DEUS!

Mas, o povo não estava certo de querer um Rei? Afinal, os filhos de Samuel não eram bons…
A questão não é sobre o “direito” que eles tinham, mas pela escolha de seu coração desejar o contrário de Deus, decidindo reunir-se e conversar entre si, sem buscar a Deus, deixando-o de lado; de forma que suas decisões e direções eram tomadas por seus próprios corações.

Mas é preciso lembrar: DEUS PERMANECE O MESMO, SUA ALIANÇA NÃO PODE SER QUEBRADA! Aquele era o povo escolhido de Deus. Não é por causa de um erro ou porque a situação parece que saiu do controle que Deus se absteve ou desapareceu! Mas o povo não deu espaço, não quis consultar a Deus.

Quando nós, como o povo de Israel, ficamos numa situação de pressão, de dificuldade, acabamos escolhendo ser como “os outros”. Esquecendo nossa identidade, nossa história.

Passamos a desejar coisas que Deus nunca desejou para nós, como o povo de Israel que desejou um Rei. Muitas vezes, nossa inquietação e falta de contentamento nos leva a buscar paz, satisfação nos desejos da carne, naquilo que nos está disponível.

E isso nos suga, nos enfraquece. E essa insatisfação – seja na igreja, casamento, trabalho, com nós mesmos – muda o nosso foco. Não estamos mais olhando para Deus, a alegria de estar com Ele acaba. E passamos a desejar e pedir para Deus algo que já não está mais nos planos dEle.

REFLETIR

O desejo que vem baseado no coração do homem é conhecido como COBIÇA. É algo que nossa alma anseia, mas que muitas vezes não é o melhor para nós, nem está nos planos do Pai.

A cobiça pode ser interpretada como “um espírito ganancioso que se auto idolatra”. 1 Samuel 13:5-14 mostra uma situação em que mostra a cobiça do coração Saul. Ele não obedeceu por amor, mas por uma troca. Saul estava preocupado com o que seus homens iriam pensar dele. Ele viu com seus olhos humanos uma situação desconfortável e preferiu correr pra sua lógica (1 Sm 13:11-12).

A falta de conhecimento de Deus e intimidade com o Espírito Santo faz com que tomemos decisões somente para “aliviar a pressão” de uma situação, o que, ao nosso ver, justifica desobedecer a Deus.

Saul já tinha uma direção: aguardar o profeta Samuel para realizar a oferta, não era função de Saul fazer algo. Mas no lugar de OBEDECER AO QUE JÁ TINHA SIDO REVELADO, ele escolheu pensar e seguir seu coração, seguir a lógica.

O comportamento de Saul o conduziu a trocar a verdade pela mentira sem perceber
e então o engano se apossou dele.

Muitas vezes estamos nos enganando, buscamos nosso desejo, conscientemente desobedecendo, porque não temos satisfação e alegria de estar na presença de Deus.

APLICAR E ORAR (separe entre homens e mulheres)

Será que temos buscado a Deus nas situações ou apenas “aliviado a pressão” pedindo e buscando nossa própria vontade?

A devocional, a vida de oração não é somente para ser um guia para nossas vidas, para aliviar a pressão em situações ruins. Mas é para experimentarmos a presença e a companhia do relacionamento de alguém que nos ama. A oração, jejum, devocional, discipulado, leitura da palavra existem, em primeiro lugar, para CONHECER A DEUS!

O que acontece quando deixamos isso de lado? Quando negamos o relacionamento com Deus, quando tratamos isso de maneira superficial e não essencial, a única realidade que existe é a da idolatria. E então o engano, a insatisfação, a pressão, a busca pela paz, a busca pelos desejos se tornam nossa realidade – e dessa busca fora de Deus, encontramos os desejos da nossa carne que nos corrompem e nos afastam do Senhor.

A IDOLATRIA DISTORCE NOSSA IDENTIDADE E, ENTÃO, PASSAMOS A DER DESEJOS QUE NUNCA ANTES DEVERÍAMOS TER, DEIXANDO A PRESSÃO NOS LEVAR!

O que você tem desejado em seu coração que está desalinhado à vontade de Deus?

Qual pressão você tem enfrentado sozinho, que tem feito você desobedecer o que você já sabe que Deus quer?

A resposta para combater a idolatria dos nossos desejos é andar na luz e no relacionamento com Deus e com os irmãos mais maduros na fé. O Discipulado é benção para quem quer buscar ao Senhor de todo coração, mas é um peso para quem tem ídolos que desviam o foco do Senhor.

Tenha um momento de oração e peça ao Espírito Santo que revele no coração de cada pessoa, revelando se há áreas na nossa vida que temos deixado a idolatria, a cobiça reinar. Lembre que quem ama a Deus, obedece de todo coração! Incentive que cada pessoa busque seu discipulador, amigo na fé, para que possa confessar, se arrepender, como Davi fez com Nathã, e foi restaurado. Ore por todos. Esteja sensível aqueles que querem conversar ao fim da célula ou precisam de uma oração específica.

Escreva um comentário

*

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga-nos: